Léa Seydoux

Resultado de imagem para lea seydoux gifsNome completo: Léa Hélène Seydoux-Fornier de Clausonne
Nascimento: 01 de julho de 1985 (34 anos), Passy, Paris, França
Signo: Câncer
Ocupação: Atriz e modelo
Altura: 1,68 m
Companheiro: André Meyer (desde 2013)
Filho: George Meyer

BIOGRAFIA

Léa Seydoux é filha do empresário Henri Seydoux e Valérie Schlumberger. Ela tem uma irmã mais velha (três anos a mais que ela), a quem é muito próxima desde que era pequena, Camille – que é sua personal stylist e que Léa descreve como original e engraçada. Para le JDD, Léa disse “Camille sempre me protegeu muito. Ela comprou meu primeiro kit de maquiagem, ela deixava presentes debaixo do meu travesseiro, me fazia roupas. Ela é minha aliada, nós somos como uma só”. Léa tem outros cinco irmãos.

A família de Léa por parte de pai, os Seydoux, são muito conhecidos na França – seu avô, Jérôme Seydoux, é CEO da Pathé; seu tio-avô, Nicolas Seydoux, é CEO da Gaumont; seu outro tio-avô, Michel Seydoux, também um produtor de cinema, é atualmente o CEO do Lille Football Club, LOSC, e seu próprio pai é CEO da companhia francesa Parrot.

Léa nasceu no 16º distrito de Paris (Passy), mas cresceu no 6º distrito, em Saint Germain. Ela teve uma educação rigorosa e austera, devido à sua família Protestante. Seus pais se divorciaram quando ela tinha apenas três anos, criando uma certa dualidade na jovem Léa. Enquanto sua mãe anticonsumista, Valérie, vestia ela com vestes de segunda mão, seu pai, Henri, comprava para ela sapatos da Christian Louboutin. Por causa dessas amizades e conexões que seu pai tinha, Léa cresceu cercada de artistas como Nan Goldin, Lou Reed Mick Jagger.

Sua mãe, por outro lado, é fundadora da CSAO (Compagnie d’Afrique du Sénégal et de l’Afrique de l’ouest), que tem como objetivo divulgar o trabalho de artistas africanos. Léa ainda trabalhou como modelo para a linha de joias Jokko. Valérie também é fundadora da ASAO (Association pour le Sénégal et l’Afrique de l’Ouest), que apoia a renovação de um antigo cinema em Dakar (Senegal) para criar um lugar para as crianças que vivem nas ruas. Schlumberger mudou-se para o Senegal, com 16 anos para acompanhar seu primeiro marido, um etnólogo, e apaixonou-se pelo país, o que influenciou diretamente na educação que ela deu para Léa. Atualmente, Léa é madrinha do Império das Crianças, uma associação fundada por sua mãe em Dakar, Senegal, que ajuda crianças em situação vulnerável a achar seu lugar na sociedade. Antes de vir para Paris e conhecer Henri, Valérie costumava viver no Senegal, mas hoje em dia ela só fica lá uma parte de seu ano.

CARREIRA

Desde de criança, o sonho de Seydoux era de se tornar cantora lírica, e até chegou a frequentar um conservatório de música, mas sua timidez a forçou a desistir da ideia. Foi apenas aos 18 anos que ela decidiu se tornar atriz. Seu primeiro passo foi frequentar as aulas de teatro do Les Enfants Terribles em Paris. E depois estudou atuação no Actors Studio em Nova York.

Em 2005 Léa conseguiu seu primeiro trabalho, em um filme de televisão chamado Mes copines, onde interpretou um dos papéis principais. No ano seguinte estrelou o curta de Nicolas Klotz, La Consolation, que estreou no Festival de Cannes 2007. Entre 2006 e 2008 apareceu em outros papéis em produções francesas como 13 French Street, Une Vielle Maîtresse and Jalouse.

Em 2009, ganhou no Festival de Cannes o prêmio de Atriz Revelação e foi indicada para o Prêmio César de Atriz Mais Promissora pelo seu papel no filme La Belle Personne, no qual protagonizou ao lado de Louis Garrel uma adaptação moderna do romance clássico francês La Princesse de Clèves de Madame de La Fayette. No ano seguinte apareceu como Charlotte LaPadite em “Inglourious Basterds” de Quentin Tarantino, seu primeiro filme Hollywoodiano. Em 2010 apareceu ao lado de Russell Crowe em Robin Hood de Ridley Scott como a rainha da Inglaterra Isabel de Angoulême.

Em 2011 ela interpretou Gabrielle em Midnight in Paris de Woody Allen. Em seguida interpretou o papel da assassina Sabine Moreau em Mission: Impossible – Ghost Protocol de Brad Bird.

Em 2012 Léa protagonizou o filme Les adieux à la reine, um drama de época onde interpretou Sidonie Laborde, leitora devotada da Rainha Maria Antonieta, as voltas com a revolução francesa. Pelo papel foi indicada ao Prêmio César desta vez de Melhor Atriz. Também estrelou em 2012 o vencedor do Urso de Prata do Festival de Berlin, L’enfant d’en haut e teve a sua atuação listada por vários críticos como uma das melhores do ano.

Porém foi em 2013 que Seydoux teve o papel mais importante de sua carreira até hoje, o de Emma, uma misteriosa garota de cabelos azuis, no filme La vie d’Adèle, o filme ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes, e além do diretor do filme Abdellatif Kechiche, Léa e a sua coprotagonista Adèle Exarchopoulos ganharam o prêmio, um feito inédito na história do festival.

Seydoux foi fotografada por grandes fotógrafos de moda, como Steven MeiselMario SorrentiEllen von Unwerth Jean-Baptiste Mondino, para revistas como Vogue ParisNumeroWL’Officiel e Another Magazine. Atualmente representa a fragrância Candy e a linha Resort, ambas da empresa Prada.

Ela interpretou uma bond girl no filme da franquia James Bond, SPECTRE, lançado em 2015.

Na E3 2018 foi divulgado que a mesma interpretaria uma personagem no game exclusivo para PS4 do aclamado diretor Hideo Kojima com o nome de Death Stranding, coestrelando com outros grande astros como Mads MikkelsenNorman Reedus e Lindsay Wagner, com data de lançamento marcada para 08 de novembro de 2019.

Fontes utilizadas para a elaboração desta página: IMDb e Wikipédia.

Esclarecimentos:
O site Lea Seydoux Brasil não é afiliado de maneira alguma com Lea, sua família ou seus representantes. Não somos a Lea e não temos o mínimo contato com a mesma. Todo o conteudo do site, fotos, informações e vídeos pertence ao site, a não ser que seja informado o contrário. Este é um site feito de fãs para fãs, sem fins lucrativos. É proíbida a cópia total ou parcial desde layout, assim como deste site.